Sexta-feira, 28 de Março de 2008

 Artrites idiopáticas juvenis


publicado por simply_misses às 13:45
link do post | comentar | favorito

O que são artrites idiopáticas juvenis (AIJ)?

         As artrites idiopáticas juvenis são de origem desconhecida e constituem um grupo heterogéneo de doenças que se iniciam antes dos 16 anos de idade e que se caracterizam pela presença de artrite de uma ou mais articulações persistente durante, pelo menos, seis semanas.
         O conhecimento destas doenças ainda é limitado.
         São consideradas doenças autoimunes, cuja origem envolve factores genéticos, imunológicos e ambientais.

publicado por simply_misses às 13:43
link do post | comentar | favorito

Classificação das artrites idiopáticas juvenis

         Há diferentes classificações, em função das características clínicas e laboratoriais detectadas nos seis primeiros meses de evolução da doença.
 
ØArtrite sistémica: artrite acompanhada ou precedida de febre diária com picos quotidianos de 39ºC, no mínimo durante três dias, acompanhada por um ou mais dos seguintes sinais:
-Exantema eritematoso, fugaz, não fixo;
-Adenomegalias generalizadas;
-Hepato ou esplenomegalia (aumento de volume do baço);
-Serosite (inflamação da membrana serosa).
 
ØOligoartrite: artrite que afecta uma a quatro articulações nos primeiros seis meses da doença. A oligoartrite persistente afecta não mais de quatro articulações em todo o curso da doença. A oligoartrite alargada afecta um total cumulativo de cinco ou mais articulações após os primeiros seis meses da doença.
 
ØPoliartrite com factores reumatóides negativos: artrite que afecta cinco ou mais articulações durante os primeiros seis meses de doença, com factores reumatóides IgM (é um anticorpo que indica uma infecção a decorrer) persistentes negativos.
ØPoliartrite com factores reumatóides positivos: artrite que afecta cinco ou mais articulações durante os primeiros seis meses de doença, com factores reumatóides IgM persistentemente positivos.
 
ØArtrite psoriática: artrite associada à psoríase (doença cutânea caracterizada por descamação epidérmica provocada pela inflamação crónica da derme) ou artrite associada a pelo menos dois dos seguintes sinais:
-Dactilite, com tumefacção de um ou mais dedos, geralmente de distribuição assimétrica, que se estende para além da margem articular;
-Ponteado ungueal ou onicólise (desprendimento das unhas);
- História familiar de psoríase em familiar de primeiro grau.
 
·        Artrite relacionada com entesite: artrite e entesite com dor à palpação na inserção de tendão, ligamento, cápsula articular ou fáscia no osso; ou artrite e entesite com, pelo menos, dois dos seguintes factores:
-Dor à palpação da(s) sacroilíaca(s) e/ou espondilalgia inflamatória;
-Presença de HLA-B27;
-História de doença associada ao HLA-B27, como espondilartrite anquilosante, sacroileíte associada com doença inflamatória do intestino ou uveíte anterior aguda, em familiar de primeiro ou segundo grau;
-Uveíte anterior aguda;
-Sexo masculino;
-Idade superior a 8 anos quando do início as sintomatologia do
alarme.
 
·             Outras artrites: artrites com causa desconhecida, com duração igual ou superior a seis semanas e que não são classificáveis em nenhuma das anteriores ou que podem ser classificáveis em mais de uma das categorias anteriores.
 

publicado por simply_misses às 13:40
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

Quais são os factores de risco?

         Não são conhecidos factores de risco determinantes. É muito raro acontecer antes dos seis meses de idade. Sendo as AIJ de etiologia desconhecida, não é possível a prevenção primária.

publicado por simply_misses às 13:39
link do post | comentar | favorito

Como se tratam?

         Normalmente é necessária a intervenção de uma equipa multidisciplinar e coordenada, onde a colaboração da família é fundamental.
                O tratamento das AIJ engloba múltiplos factores, desde a educação da criança e da família, a terapêutica farmacológica, a medicina física e reabilitação, vigilância oftalmológica e estomatológica e, até, por vezes, cirúrgica.
       O apoio psicológico e social ao doente e à família também é muito importante.
       Entre as medidas terapêuticas gerais incluem-se:
·        Medidas para combater a dor e a rigidez matinal;
·        Promoção de posturas e posicionamentos articulares correctos;
·        Uso de talas para prevenir as deformidades;
·        Realização de programa diário de exercícios;
·         Dieta equilibrada;
·        Adequação das actividades físicas;
·        Práticas desportivas;
·        Cuidados com a boca e dentes.
         É também importante a prevenção e tratamento de eventuais complicações extra-articulares, nomeadamente da uveíte, aguda ou crónica, das alterações do crescimento, da osteoporose e da amiloidose secundária.
         O acompanhamento da evolução das AIJ deve ser periódico, por pediatra e reumatologista, oftalmologista e estomatologista. São também necessários exames laboratoriais periódicos e, sempre que adequado, radiografias das articulações afectadas.
         Periodicamente deve também ser feita a avaliação da capacidade funcional e da qualidade de vida do doente.

publicado por simply_misses às 13:34
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 21 de Março de 2008

 Artropatias Microcristalinas


publicado por simply_misses às 13:44
link do post | comentar | favorito

O que são artropatias microcristalinas?

         São um grupo de doenças cujas manifestações clínicas e alterações patológicas se devem à deposição de cristais minerais nos tecidos músculo-esqueléticos.
         São causa frequente de disfunção renal.
         Há vários tipos de artropatias, entre as quais se destaca a gota úrica.

publicado por simply_misses às 13:39
link do post | comentar | favorito

O que é a gota úrica?

         É uma doença que resulta da deposição de cristais de monourato de sódio nos tecidos, devida à supersaturação dos fluidos extracelulares em ácido úrico.
         A situação pode ser assintomática ou causar artrite aguda ou crónica, tofos gotosos, nefropatia com insuficiência renal e urolitíase.

publicado por simply_misses às 13:26
link do post | comentar | favorito

Quais são os factores de risco?

         A gota úrica é uma consequência da hiperuricémia. Esta pode dever-se a uma produção excessiva de ácido úrico ou uma deficiência na sua excreção. Estão identificadas diversas causas:
·         Insuficiência renal;
·         Hipertensão arterial;
·         Hiperparatiroidismo;
·         Uso de fármacos, como diuréticos, ciclosporina A, pirazinamida, etambutol e salicilatos em doses baixas.
 
         As pessoas com maior risco de desenvolver gota úrica são as que:
·         Consomem grandes quantidades de purinas de dieta, associada ao consumo de proteínas animais;
·         Ingerem álcool em excesso;
·         Usam fármacos como as tiazidas e alguns tuberculostáticos;
·         Têm compromisso da função renal;
·         Apresentam desidratação ou acidose;
·         Têm risco de exposição a nefrotóxicos como o chumbo;
·         Sofrem de doenças hematológicas com produção celular excessiva.

publicado por simply_misses às 13:12
link do post | comentar | favorito

Quem são os indivíduos mais afectados pela gota úrica?

         A gota úrica primária é muito frequente nos homens. Nas mulheres, praticamente só surge após a menopausa.

publicado por simply_misses às 13:11
link do post | comentar | favorito

Como se diagnostica?

         O diagnóstico definitivo das artropatias microcristalinas baseia-se na identificação dos cristais típicos.
         Na gota úrica o diagnóstico precoce é importante, pois o tratamento adequado, incluindo o controlo de hiperuricémia, é eficaz na prevenção de complicações da doença.

publicado por simply_misses às 13:09
link do post | comentar | favorito

Qual é o tratamento da gota úrica?

         O tratamento tem por base medidas gerais e terapêutica hipouricemiante. Entre as medidas gerais estão:
·         Tratamento da obesidade – emagrecimento;
·         Tratamento das alterações metabólicas associadas – exemplo diabetes, dislipidémias;
·         Redução da ingestão de alimentos ricos em purinas e de bebidas alcoólicas.
 
         O tratamento hipouricemiante é necessário quando:
·         A hiperuricémia é superior a 11 miligramas por decilitro;
·         Há acessos de gota;
·         Há tofos gotosos;
·         Há nefropatia;
·         Há urolitíase.
 

publicado por simply_misses às 12:55
link do post | comentar | favorito
Domingo, 16 de Março de 2008

Qual é o tratamento?

         Os tratamentos para a osteoporose são:
·      Reposição hormonal – Importante tanto durante a prevenção quanto durante o tratamento. O estrogénio reduz o risco de fracturas em mulheres com osteoporose;
·      Administração de cálcio – Para quem já tem a doença, o cálcio pode ser dado em dosagens de 1 mal a 1,5 mil miligramas por dia, com recomendação médica;
·      Calcitonina – è uma hormona que tem em função de evitar que o cálcio saia dos ossos. Evita-se assim o processo de corrosão;
·      Actividade física, correctamente orientada (por um educador física), também é usada como em parte importante no tratamento e controle de osteoporose, podendo reduzir ou até, estabilizar a perda de massa óssea do indivíduo.

publicado por simply_misses às 21:25
link do post | comentar | favorito

Como se previne?

         As formas de prevenir esta doença são:
·      Fazer exercício físico regularmente. Actividades desportivas aeróbicas são as mais recomendadas;
·      Dieta com alimentos ricos em cálcio (como leite e derivados), verduras (como repolho e brócolos), camarão, salmão e ostras;
·      A reposição hormonal do estrogénio em mulheres na menopausa consegue evitar a osteoporose.

publicado por simply_misses às 21:23
link do post | comentar | favorito

Quais são os factores de risco?

         Quem se encontra em maior risco de desenvolver a doença são:
·      Mulheres;
·      Fumadores;
·      Consumidores de álcool ou café em excesso;
·      Diabéticos;
·      Os que se exercitam em excesso e os que não se exercitam.

publicado por simply_misses às 21:19
link do post | comentar | favorito

Epidemiologia

         Estima-se que mundialmente 1 em cada 3 mulheres e 1 em cada 5 homens acima da idade dos 50 tem osteoporose. Ela é responsável por milhões de fracturas anualmente, a maioria envolvendo vértebras lombares, quadril e pulso.

publicado por simply_misses às 21:12
link do post | comentar | favorito

Quais são os sintomas?

         A doença progride lentamente e raramente apresenta sintomas. Se não forem feitos exames sanguíneos e de massa óssea, é percebida apenas quando surgem as primeiras fracturas, acompanhadas de dores agudas. A osteoporose pode, também, provocar deformidades e reduzir a estatura do doente.

publicado por simply_misses às 21:09
link do post | comentar | favorito

Fisiopatologia

         O aparecimento da osteoporose está ligado aos níveis hormonais do organismo. O estrogénio – hormona feminina, também presente nos homens, mas em menor quantidade – ajuda a manter o equilíbrio entre a perda e o ganho de massa óssea.
         As mulheres são as mais atingidas pela doença, uma vez que, na menopausa, os níveis de estrogénio caem bruscamente. Com isso, os ossos passam a incorporar menos cálcio (fundamental na formação do osso), tornando-se mais frágeis. Para cada quatro mulheres, somente um homem desenvolve esta patologia.
         Embora pareçam estruturas inactivas, os ossos modificam-se ao longo da vida. O organismo está constantemente fazendo e desfazendo ossos. Esse processo depende de vários factores como genética, boa nutrição, manutenção de bons níveis de hormonas e prática regular de exercícios. As células ósseas (osteócitos) são as responsáveis pela formação do colagénio, que dá sustentação ao osso. Os canais que interligam os osteócitos permitem que o cálcio, essencial para a formação óssea, saia do sangue e ajude a formar o osso.
          A densidade mineral de cálcio é reduzida de 65% para 35% quando a osteoporose se instala. O canal medular central do osso torna-se mais largo. Com a progressão da osteoporose, os ossos podem ficar esburacados e quebradiços. O colagénio e os depósitos minerais são desfeitos muito rapidamente e a formação do osso torna-se mais lenta. Com menos colagénio, surgem espaços vazios que enfraquecem o osso.

publicado por simply_misses às 21:07
link do post | comentar | favorito

O que é a osteoporose?

         A osteoporose é uma doença que atinge os ossos. Ocorre quando a quantidade de massa óssea diminui substancialmente e desenvolve ossos ocos, finos e de extrema sensibilidade, mais sujeitos a fracturas. Faz parte do processo normal de envelhecimento e é mais comum em mulheres que em homens.
         A osteoporose somente passa a preocupar quando começam os riscos de fracturas. As mais comuns são:
  1. Coluna vertebral – Pessoas idosas podem fracturar as vértebras da coluna com frequência. A chamada “corcunda de viúva” é uma de formação comum e pode até levar à diminuição de tamanho do doente;
  2. Pulso – Por ser um ponto de apoio, é uma área no qual as fracturas acontecem normalmente. Os ossos sensíveis têm pouca estrutura para sustentar o peso do corpo quando cai;
  3. Quadril – As fracturas de bacia são difíceis de cicatrizar e podem levar à invalidez. Estudos mostram que em torno de 50% dos que fracturam o quadril não conseguem mais andar sozinhos;
  4. Fémur – Também muito comum entre os que desenvolvem a doença. É frequente tanto em homens quanto em mulheres, principalmente depois dos 65 anos. A recuperação costuma ser lenta

publicado por simply_misses às 20:57
link do post | comentar | favorito

 Osteoporose


publicado por simply_misses às 20:43
link do post | comentar | favorito

Que tipos de tratamento existem?

         O tratamento da osteoartrose é muito variada e visa, sobretudo, educar o doente, aliviar os sintomas, minimizar a incapacidade e evitar a progressão da doença.
·         Reabilitação – hidroterapia, tratamento termal, cinesioterapia, etc;
·         Terapêuticas farmacológicas – dirigidas aos sintomas e que podem ser de aplicação local, sistémica, intra-articular e periarticular;
·         Artroclise – lavagem articular;
·         Cirurgia ortopédica – numa fase mais ou menos precoce pod4e corrigir desvios anatómicos ou anomalias articulares que impliquem sobrecarga e, numa fase tardia, a substituição, no todo ou em parte, por uma prótese.
         A osteoartrite pode ser diagnosticada, tratada e monitorizada nos centros de saúde. São estes que referenciam os doentes para as consultas de reumatologia, ortopedia e fisiatria, em função dos sintomas.

publicado por simply_misses às 20:42
link do post | comentar | favorito

Pode ser detectado precocemente?

 
         A detecção precoce é limitada, isto é, nem sempre há associação entre a intensidade das manifestações clínicas e a gravidade detectada nos exames radiológicos.
         A doença pode ser detectada precocemente através de artroscopia (método de diagnóstico invasivo) e de ressonância magnética.

publicado por simply_misses às 20:39
link do post | comentar | favorito

Como é que se diagnostica?

         Através da história clínica e da radiografia. Isto é, o diagnóstico tem por base alterações radiográficas típicas em doentes com queixas de dor articular, geralmente mecânica, rigidez e, quase sempre, um grau maior ou menor de limitação da mobilidade e da função da articulação.

publicado por simply_misses às 20:37
link do post | comentar | favorito

Quais são as articulações mais atingidas pela osteoartrite?

         As articulações mais atingidas são:
·         Os segmentos cervical e lombar da coluna vertebral;
·         A articulação carpometacarpiana do primeiro dedo da mão;
·         As articulações interfalângicas proximais e distais dos dedos da mão;
·         As articulações coxofemorais;
·         As articulações dos joelhos;
·         A articulação metatarsofalângica do primeiro dedo do pé.
 

publicado por simply_misses às 20:35
link do post | comentar | favorito

Há formas de prevenir?

         Pode corrigir-se os factores de risco identificáveis. Por exemplo:
·         Tratar a obesidade;
·         Corrigir anomalias articulares, congénitas ou do desenvolvimento, os desvios axiais e as dismetrias dos membros;
·         Evitar sobrecarga articular e os traumatismos repetitivos, mesmo que de pequena amplitude, com particular cuidado para as ocupações que impliquem a flexão do tronco e a elevação de pesos;
·         Fortalecer os quadricípetes (grande músculo da coxa);
·         Tentar a correcção de defeitos proprioceptivos (relativos ao funcionamento dos receptores sensoriais) que causam anomalias biomecânicas repetidas ao longo da vida.

publicado por simply_misses às 20:31
link do post | comentar | favorito

Quais são os factores de risco?

         Os principais factores são:
 
·         Idade - Clara associação ao envelhecimento;
 
·        Hereditariedade - A herança genética é um factor importante componente na causa da osteoartrose, particularmente na sua forma poliarticular, e, que são afectadas várias articulações. Ou seja, as pessoas que têm parentes com osteoartrite generalizada apresentam maior risco de desenvolver a doença;
 
·        Obesidade - O excesso de peso corporal pode estar associado com o desenvolvimento de osteoartrite nos joelhos em ambos os sexos. De qualquer maneira, a sobrecarga de peso acentua a dor nas articulações dos membros inferiores e da coluna lombar;
 
·        Disfunções hormonais – A predominância de osteoartrite poliarticular no sexo feminino sugere que este tipo de problema articular na mulher pode ser favorecido por alterações hormonais. Aliás, essa doença parece ocorrer com maior frequência após a menopausa;
 
·         Hipermobilidade – Indivíduos com excesso de amplitude de movimentos, devido a muita flexibilidade nas articulações, apresentam maior risco de desenvolver osteoartrite;
 
·        Doenças das juntas (artropatias) e outras doenças – as enfermidades que causam inflamação das articulações (artropatias) podem ocasionar osteoartrite secundária. Têm sido documentadas algumas associações entre osteoartrite e diabetes mellitus. Além disso, as doenças que alteram a estrutura da articulação estão fortemente relacionadas ao aparecimento e à progressão de osteoartrite.
 
·        Trauma – O trauma de forte intensidade é uma causa comum de osteoartrite de joelho, principalmente quando afecta os ligamentos ou os meniscos. Quando um menisco é retirado (meniscectomia), há risco de desenvolvimento de osteoartrite. Os riscos aumentam com o avanço da idade, com predisposição e com a época da meniscectomia. Em alguns casos, a doença pode se instalar em indivíduos mais jovens.
 
·        Uso repetitivo – Determinadas tarefas no trabalho podem agravar a dor nas articulações comprometidas. As actividades que precisam ser executadas em posição ajoelhada, por exemplo, costumam acentuar a osteoartrite de joelhos.

publicado por simply_misses às 20:28
link do post | comentar | favorito

Qual é a sua causa?

         A osteoartrose acontece quando o organismo deixa de conseguir reparar as múltiplas agressões e lesões sofridas pelas articulações.

publicado por simply_misses às 20:27
link do post | comentar | favorito

O que é a osteoartrose?

         A osteoartrose (também conhecida por artrose) afecta as articulações importantes para a funcionalidade, como as das mãos, joelho, anca, coluna vertebral e pé.
         É a principal causa de incapacidade da pessoa idosa e está associada, neste grupo etário, outras doenças também incapacitantes.

publicado por simply_misses às 20:26
link do post | comentar | favorito

 Osteoartrose


publicado por simply_misses às 20:20
link do post | comentar | favorito

Como se trata?

         A maioria das doenças reumáticas periarticulares é autolimitada, melhorando em semanas, e curável. Apenas alguns doentes mantêm queixas por mais de seis meses.
         Não há um tratamento universal e não há evidência científica sobre qual é a abordagem mais eficaz.
         Os objectivos da terapêutica são, essencialmente, aliviar a dor e reduzir a incapacidade.

publicado por simply_misses às 20:20
link do post | comentar | favorito

Quais são os sintomas?

         Dor localizada em áreasjusta-articulares, exacerbada por determinados movimentos, o que a distingue das patologias articulares.

publicado por simply_misses às 20:19
link do post | comentar | favorito

Como prevenir?

          A prevenção das doenças reumáticas periarticulares relacionadas com actividades de desporto e lazer passa pelo respeito de medidas como:
·         Escolha do desporto adequado;
·         Selecção do equipamento apropriado;
·         Planeamento do programa de exercício em função das características antropomórficas do indivíduo.
         O diagnóstico precoce da doenças reumáticas periarticulares depende da caracterização da dor e da incapacidade que lhe está associada, as doenças reumáticas periarticulares podem surgir isoladamente ou associadas a doenças sistémicas, como a especificidade terapêutica.

publicado por simply_misses às 20:18
link do post | comentar | favorito

Quais são os factores de risco?

         As doenças reumáticas periarticulares relacionam-se com o desempenho de actividades laborais ou de desporto e lazer. Contudo, e independentemente das circunstâncias em que surgem, as pessoas mais afectadas são as que sofrem cronicamente traumatismos de baixo impacto e repetitivos.

publicado por simply_misses às 20:17
link do post | comentar | favorito

O que são doenças reumáticas periarticulares?

         As doenças reumáticas periarticulares (DRP), também chamadas dos tecidos moles ou abarticulares, são um grupo alargado de síndromes clínicas músculo-esqueléticas dolorosas que resultam de patologia que pode envolver bolsas serosas, tendões e bainhas tendinosas, músculos e fáscias.
         São frequentemente provocadas por lesões repetitivas, habitualmente provocadas por traumatismos relacionados com o trabalho.

publicado por simply_misses às 20:16
link do post | comentar | favorito

 Doenças Reumáticas Periarticulares


publicado por simply_misses às 20:07
link do post | comentar | favorito

Qual é o tratamento adequado?

         Não existe uma estratégia terapêutica eficaz para todas as formas de lombalgia. O tratamento depende de ser aguda ou crónica, da presença ou da ausência de radiculalgia (dor com origem nas raízes dos nervos), da origem da dor (discal, interapofisária posterior ou músculo-tendinosa) e do contexto socioprofissional e psicológico do doente.
         Nas lombalgias agudas, e excluídas os casos de cirurgia, o tratamento tem por objectivo aliviar a dor e pode incluir:
·         Repouso de curta duração;
·         Analgésicos,
·         Anti-inflamatórios não esteróides (AINE);
·         Miorrelaxantes em caso de contractura (contracção permanente e involuntária de um músculo).
 

publicado por simply_misses às 17:30
link do post | comentar | favorito

Quais são os principais factores de risco?

         A lombalgia é um sintoma frequente na população em geral, estimando-se que entre 60 a 80 por cento da população seja afectada por uma crise no decorrer da vida.
         Os principais factores de risco são:
·         Idade superior a 45 anos;
·         Sexo feminino;
·         Tabagismo;
·         Alcoolismo;
·         Profissões que exigem esforços físicos importantes ou posturas prolongadas com a coluna em flexão e/ou rotação;
·         Factores psicológicos.

publicado por simply_misses às 17:26
link do post | comentar | favorito

Quais as causas da lombalgia?

         As causas da lombalgia são múltiplas e apenas parcialmente conhecidas. Isto é, o mesmo sintoma – a dor – pode resultar de diferentes situações fisiopatológicas.
         A lombalgia pode ser aguda ou crónica, consoante persista por menos ou mais de três meses.

publicado por simply_misses às 17:12
link do post | comentar | favorito

O que são raquialgias?

         As raquialgias consistem em dores na coluna vertebral. São as queixas reumáticas mais frequentes e um dos principais motivos de incapacidade antes dos 45 anos de idade. Podem ser de causa degenerativa, infecciosa, inflamatória, metabólica ou neoplásica.
         Os segmentos cervical e lombar são normalmente os mais afectados.
·         A cervicalgia deve-se, na maioria dos casos, à deterioração degenerativa ou à alteração funcional das estruturas musculoligamentares.
·         A lombalgia, que é um grave problema de saúde pública por afectar uma parte da população activa, é um sintoma e não uma doença.

publicado por simply_misses às 17:11
link do post | comentar | favorito

 Raquialgias


publicado por simply_misses às 17:03
link do post | comentar | favorito

Qual é o tratamento?

         O tratamento da maior parte das espondilartropatias seronegativas visa o alívio da dor, da rigidez e da fadiga, a manutenção de posturas adequadas e bons estados funcionais a nível físico e psicossocial.
         Além da informação e da educação do doente, faz também parte do programa de intervenção terapêutica a prática de exercícios (como a natação e exercícios indutores de extensão) ou de actividade desportiva regular.
         O exercício também é um factor determinante do prognóstico, com eficácia demonstrada na mobilidade da coluna dorsal e lombar e do bem-estar dos doentes, bem como a utilização de agentes físicos e o ensino de práticas de correcção postural.
         A terapêutica completa-se com o recurso a medicamentos e, nalguns casos, também à cirurgia, normalmente para substituição de algumas articulações.
         Os doentes com espondilartropatias seronegativas devem ser tratados por reumatologistas.

 

publicado por simply_misses às 17:01
link do post | comentar | favorito

Como se diagnosticam?

         O diagnóstico é essencialmente clínico, embora a sua confirmação requeira, normalmente, o recurso a meios complementares de diagnóstico, como as radiografias.
         O diagnóstico precoce não é fácil, pois o tempo que decorre entre os primeiros sinais e sintomas da doença e o reconhecimento das alterações radiológicas típicas pode chegar a cinco anos.
         Alguns doentes podem apresentar apenas dor torácica e rigidez, sem evidência radiográfica de sacroileíte ou mesmo sem lombalgias inflamatória, o que dificulta ainda mais o diagnóstico.

publicado por simply_misses às 17:00
link do post | comentar | favorito

Quais são os sintomas?

Os sintomas são:
·      Dor na coluna;
·      Dor nas articulações;
·      Dor lombar;
·      Rigidez.
 
 

publicado por simply_misses às 16:59
link do post | comentar | favorito

Quais são os factores de risco?

         As espondilartropatias seronegativas aparecem normalmente em idades jovens, e, tendencialmente, e indivíduos do sexo masculino, embora seja cada vez mais comum em ambos os sexos.
         É também reconhecida alguma susceptibilidade genética em algumas destas doenças, havendo alguma tendência para a agregação familiar.

publicado por simply_misses às 16:58
link do post | comentar | favorito

O que são as espondilartropatias seronegativas (EASN)?

São um grupo de doenças reumáticas crónicas que atingem preferencialmente a coluna vertebral e as articulações sacroilíacas, causando incapacidade em idades jovens.
         Neste grupo de doenças multi-sistémicas incluem-se:
·      Espondilite anquilosante;
·      Síndroma de Reiter;
·      Artrites reactivas
·      Artrite psoriática;
·      Espondilite associada às doenças inflamatórias do intestino.
 

publicado por simply_misses às 16:57
link do post | comentar | favorito

 Espondilartropatias Seronegativas (EASN)


publicado por simply_misses às 16:53
link do post | comentar | favorito

Como é que trata a fibromialgia?

         Deve ser tratada na rede de cuidados primários de saúde (centros de saúde).
         O prognóstico da doença é habitualmente bom.
         Os medicamentos usados com mais eficácia são os analgésicos, os antidepressivos tricíclicos e inibidores selectivos de recaptação da serotonina, os relaxantes musculares e os indutores do sono.
         A prática regular de exercício físico também é indicado.
         Por vezes são necessários outras formas terapêuticas, bem como a intervenção da reumatologia, psiquiatria e outras especialidades médicas ou diferentes profissionais de saúde.
         É uma doença que requer acompanhamento médico e avaliações periódicas relativamente à evolução das queixas e aos eventuais efeitos adversos da terapêutica. O acompanhamento depende da gravidade da fibromialgia e de outras doenças associadas.

publicado por simply_misses às 16:52
link do post | comentar | favorito

Como se diagnostica?

         O diagnóstico é essencialmente clínico, servindo os meios complementares de diagnóstico para excluir outras doenças. Assenta, sobretudo, na presença de:
·      Dor músculo-esquelético generalizada, ou seja, abaixo e acima da cintura e nas metades esquerda e direita do corpo;
·      Dor com mais de três meses de duração;
·      Existência de pontos dolorosos à pressão digital em áreas simétricas do corpo e com localização bem estabelecida.
         Deve ser feito o diagnóstico diferencial com doenças reumáticas inflamatórias, disfunção tiroideia e patologia muscular.

publicado por simply_misses às 16:51
link do post | comentar | favorito

Quais são os sintomas?

Os sintomas são:
Dores generalizadas;
Fadiga;
Alterações do sono;
Perturbações cognitivas

publicado por simply_misses às 16:50
link do post | comentar | favorito

Quais são os factores de risco?

         As mulheres são cinco a nove vezes mais afectadas do que os homens. E a idade é outro factor, pois a fibromialgia inicia-se entre os 20 e os 50 anos, sobretudo, embora também possa afectar crianças e jovens em idade escolar.

publicado por simply_misses às 16:49
link do post | comentar | favorito

O que é a fibromialgia?

         É uma síndrome músculo-esquelético crónica, não inflamatória e de causa desconhecida. Está na origem de uma incapacidade física e emocional, por vezes grave, que atinge cerca de 2% da população.
         Origina dor generalizada nos tecidos moles (músculos, ligamentos e tendões), mas não afecta as articulações e os ossos.
 

publicado por simply_misses às 16:48
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

 Fibromialgia


publicado por simply_misses às 16:47
link do post | comentar | favorito

Como se tratam?

         O tratamento varia de doença para doença, orientando-se pelo grau de gravidade. Estas doenças são potencialmente graves.
         Em todas o prognóstico é mais favorável se o diagnóstico for precoce e a terapêutica adequada.

publicado por simply_misses às 16:46
link do post | comentar | favorito

Quais são os sintomas?

         As doenças reumáticas sistémicas formam um grupo heterogéneo, com poucas características comuns no que concerne à forma de apresentação, evolução clínica e tratamento. Os sintomas são, em geral, vagos e só raramente permitem o diagnóstico imediato.
         A maioria dos doentes refere:
·      Queixas músculo-esqueléticas discretas, como poliartralgias, com pouca fraqueza muscular;
·      Sintomas gerais, como febre, anorexia, mal-estar, fadiga e adinamia (prostração).

publicado por simply_misses às 16:46
link do post | comentar | favorito

Quais são os factores de risco?

        Estas doenças são, no geral, mais frequentes nas mulheres. No entanto, algumas caracterizaram-se por surgir mais na população masculina, como é o caso de Behcet, a poliarterite nodosa e a granulomatose de Wegener.
         Apareceram habitualmente nos adultos jovens, entre os 30 e os 40 anos.
         Algumas vasculites ocorrem na idade infanto-juvenil.

publicado por simply_misses às 16:45
link do post | comentar | favorito

Qual é causa destas doenças?

        A causa íntima destas doenças não é conhecida, mas presume-se que resulta da interacção entre factores genéticos e agentes ambientais não identificados.
         Nestas doenças há um defeito do sistema imunitário que se associa à presença de anticorpos nucleares e outros auto-anticorpos no soro e a lesões inflamatórias em diversos órgãos e sistemas.

publicado por simply_misses às 16:44
link do post | comentar | favorito

O que são doenças reumáticas sistémicas?

       São um conjunto heterogéneo de doenças e síndromes. Como lúpus eritematoso sistémico, a síndrome de Sjorgren, a esclerose sistémica, a polimiosite/dermatomiosite e o extenso grupo das vasculites.

publicado por simply_misses às 16:43
link do post | comentar | favorito

 Doenças Reumáticas Sistémicas


publicado por simply_misses às 16:41
link do post | comentar | favorito

Como se tratam as doenças reumáticas?

       Os tratamentos apresentam terapêuticas diversificadas e, frequentemente, visam reduzir a dor e a incapacidade e melhorar o bem-estar e a qualidade de vida do doente.

publicado por simply_misses às 16:41
link do post | comentar | favorito

Quais são os factores de risco das doenças reumáticas?

       Cada doença tem factores de risco específico. Há algumas patologias relacionadas com a prática de actividade laboral, de desporto e mesmo de lazer.
         Alguns de factores de risco comuns:
·      Idade;
·      Obesidade;
·      Tabagismo;
·      Ingestão de bebidas alcoólicas em excesso;
·      Ingestão

publicado por simply_misses às 16:40
link do post | comentar | favorito

Quais são as principais doenças reumáticas?

Ø Doença reumática sistémica;
Ø Fibromialgia;
Ø Espondilartropatias seronegativas (EASN);
Ø Raquialgias;
Ø Doenças reumáticas periarticulares;
Ø Osteoartrose;
Ø Osteoporose;
Ø Artropatias microcristalinas;
Ø Artrites idiopáticas juvenis.

publicado por simply_misses às 16:39
link do post | comentar | favorito

Como se manifestam?

         As formas mais comuns de manifestação das doenças reumáticas são a dor, a tumefacção e a limitação da mobilidade.

publicado por simply_misses às 16:39
link do post | comentar | favorito

O que são doenças reumáticas?

        São doenças e alterações funcionais do sistema músculo-esquelético de causa não traumática.
         Há mais de uma centena de doenças reumáticas, cada qual com vários subtipos, onde se incluem as doenças inflamatórias do sistema músculo-esquelético, do tecido conjuntivo e dos vasos, as doenças degenerativas das articulações periféricas e da coluna vertebral, as doenças, metabólicas ósseas e articulares dos tecidos moles periarticulares e as doenças de outros órgãos e/ou sistemas relacionadas com as anteriores.
         As doenças reumáticas podem ser agudas, recorrentes ou crónicas e atingem pessoas de todas as idades. As mulheres, sobretudo a partir dos 65 anos, são quem mais sofre com as doenças reumáticas.
 

publicado por simply_misses às 16:36
link do post | comentar | favorito

Doenças Reumáticas

 

publicado por simply_misses às 16:20
link do post | comentar | favorito

.Este blog foi idealizado no âmbito do projecto "Doenças do séc. XXI", que estamos a desenvolver na área curricular Área de Projecto do 12º ano, da Escola Secundária de Fafe. Agradecemos desde já a colaboração de todos que tornaram este trabalho realidade.

.pesquisar

 

.Fevereiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
21

22
23
24
25
26
27
28


.posts recentes

.  Artrites idiopáticas ju...

. O que são artrites idiopá...

. Classificação das artrite...

. Quais são os factores de ...

. Como se tratam?

.  Artropatias Microcrista...

. O que são artropatias mic...

. O que é a gota úrica?

. Quais são os factores de ...

. Quem são os indivíduos ma...

. Como se diagnostica?

. Qual é o tratamento da go...

. Qual é o tratamento?

. Como se previne?

. Quais são os factores de ...

.arquivos

. Fevereiro 2009

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

.tags

. todas as tags

.IMC

Calculadora IMC
Peso: kgs
Altura: m cm

.Contador de visitas

Free Blog CounterInFocus

.Formulário

Name:
Qual a temática do teu blog? Saúde
Sociedade
Bem-Estar
Outros
Nome do blog
Email Address:

free forms

.C.BOX


SAPO Blogs

.subscrever feeds